Pages

A PARÁBOLA DA VACA E DA COBRA NOS BASTIDORES DA IMPRENSA BRASILEIRA

Por Marco Sousa
 

A "sabedoria proverbial" dos antigos afirma que "a água que a vaca bebe vira leite e a água que a cobra bebe vira veneno".

 

O veneno e o ódio destilado nas matérias de certos veículos da imprensa brasileira refletem que estes setores podem muito bem ser representados pelos dois animais proverbiais. Alguns setores midiáticos comportam-se como uma vaca marrenta que dá cabeçadas e chifradas para impedir que o leite seja tirado, mas em outras vezes fica estática do nada, para ser ordenhada com muita docilidade. O principal vício da vaca é que ela gosta de interferir na bolsa de valores($$$), com suas maldosas chifradas ou com sua docilidade repentina. Já a cobra exerce militância política interesseira ($$$), ela é mais aberta, mais sádica e gosta de números, principalmente maquiados ou mal apresentados para favorecer pontos de vistas duvidosos. Ela age sem pudor, totalmente desavergonhada. Ela bebe da fonte da informação real pela boca, como os outros animais, mas tem despejado o veneno por todos os buracos. Parece que não existe jornalismo profissional no Brasil (São raríssimas as excessões). O jornalismo profissional foi substituído pela militância política interesseira.

 

Nestes tempos trabalhosos em que os eleitores da direita são chamados de "gado" e os da esquerda são chamados de "jumentos", um pouco de discernimento não faz mal a ninguém, afinal tem gente do meio político disposta a colocar fogo no pasto dos bois e dos jumentos e a imprensa brasileira estará sempre do lado de quem oferece maior suborno ou propina.

 

Enquanto a velha imprensa, outrora acostumada com as benesses milionárias do Palácio do Planalto falar mal do governo atual, o caro leitor pode ter certeza absoluta que o Brasil estará no caminho certo!

Baixe nossos aplicativos:

ESCOLA BÍBLICA

“Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva”

Deuteronômio 32:2